Entrevista à revista TV Guia

Entrevista de Mário Correia, membro da ADEP, à revista TV Guia, publicada em 12 de Dezembro de 2011. Só foi publicado um excerto, por condicionante de espaço.

1-É muito comum existirem pessoas com vontade/necessidade de contactar familiares que já tenham falecido, através de médiuns?

Não é dos motivos que mais trazem pessoas a conhecer a filosofia espírita. No Espiritismo não se contacta o mundo espiritual a não ser para satisfazer as seguintes finalidades: ajuda a sofredores (vulgo reunião de desobssessão); recepção de comunicações edificantes, que são posteriormente publicadas; e pesquisa científica. No entanto, se ocorrem comunicações espontâneas, os “recados” dos que partiram são entregues aos seus entes queridos, que confirmarão, ou não, a sua pertinência.

Jamais, contudo, se prometem comunicações – nem tal seria honesto, ainda que todos os serviços espíritas sejam gratuitos. No entanto, pode-se eventualmente solicitar aos amigos espirituais alguma informação acerca desta ou daquela pessoa e se for oportuno eles trá-la-ão. Mas o Espiritismo não é essa prática, é algo muito mais profundo.

2-Pode dar-se o caso de sentirmos que existe alguém, que já faleceu, e agora quer falar connosco? De que forma é que essa situação se pode manifestar?

Sim. Mesmo pessoas que jamais ouviram falar de filosofia espiritualista, que nem têm opinião formada sobre a imortalidade da alma e a comunicabilidade dos Espíritos, podem sentir que alguém “do lado de lá” lhes quer falar. Pode ser uma ideia que se repete, sonhos recorrentes com a pessoa que partiu, ou mesmo a sensação da presença do Espírito em questão.

3-E esse contacto é possível? De que forma?

Quando pensamos com carinho num familiar ou amigo que partiu, já estamos a estabelecer uma salutar comunicação telepática com esse Espírito. Os Espíritos são pessoas como nós, que apenas deixaram o corpo material. Estão tão vivos como nós, partilham as nossas alegrias e tristezas, e ficam felizes com a nossa estima. O que não devemos é exigir deles que se comuniquem, pois tal nem sempre lhes é permitido ou possível. Por outro lado, dentro de algumas condicionantes, pode ser possível, através de um médium experimentado e honesto, esse contacto.

De realçar que os espíritas nunca cobram ou aceitam dinheiro pelas suas actividades. Infelizmente existem muitos charlatães que aproveitam-se da dor alheia para usurpar o seu dinheiro. Onde houver comércio ou aceitação de dinheiro, é de fugir daí.

4-Quais são as condições ou os pré-requisitos necessários para se contactar com um ente querido que já partiu?

Costuma dizer-se que “o telefone só toca do lado de lá”. Se um Espírito quer e tem autorização de Deus para se comunicar, terá que haver um médium compatível capaz de lhe servir de porta-voz – pela escrita, pela fala, ou por outro meio. Não é habitual, nem é necessário, evocar-se este ou aquele Espírito.

Às vezes, o próprio Espírito encarrega-se de contactar directamente o seu ente querido, desde que encontre condições mediúnicas para tal, e sempre e só com a permissão de Deus – como de resto acontece com tudo no Universo. Nesse sentido, sugerimos às pessoas que se dirijam a um Centro Espírita idóneo (que não cobre nem aceite dinheiro em troca dos seus serviços) e peça ajuda, orientação. Poderão encontrar endereços de Centros Espíritas no site da ADEP em http://www.adeportugal.org/

5-Que situações é que podem impedir ou dificultar esse contacto? Uma pessoa que eventualmente esteja a ser alvo de uma pressão mediática forte pode ver essa situação dificultar-se?

Os Espíritos, sendo pessoas como nós, dotadas de querer e livre-arbítrio, podem não estar na disposição de estabelecer esses contactos. Além disso, o mundo espiritual é ainda mais complexo que o nosso, e os Espíritos também têm as suas ocupações, não estando permanentemente disponíveis para responder a quem indiscriminadamente os queira contactar. Sendo os médiuns o “aparelho” para essa comunicação, temos ainda que nem todo o médium serve para todo o Espírito. A comunicação entre o mundo espiritual e o mundo material é da ordem natural das coisas. É uma lei da Natureza, e ocorre desde as épocas mais remotas. Creiam os homens ou não no mundo espiritual, sejam de que religião forem, pensem como pensarem, factos são factos. E são iguais para o príncipe e para o mendigo, para o crente e para o descrente, para o ignorante e para o estudioso. No caso da pressão mediática, isso pode perturbar o Espírito, mas se ele tiver mérito, tal não acontecerá. Qualquer comunicação só existe com consentimento espiritual superior, de modo que ninguém pode garantir que vai conseguir esta ou aquela comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *